domingo, 12 de agosto de 2018

Pequenas diferenças

Há vários anos que os países da NATO asseguram o patrulhamento do espaço aéreo dos países do Báltico.
Portugal juntamente com a Espanha e com a França asseguram neste momento esta missão, que esta semana ficou marcada por um incidente grave.



Na passada terça-feira dia 7, um caça espanhol (Eurofighter Typhoon) disparou por engano um míssil ar-ar (Amraam) numa dessas missões de patrulhamento na Estónia. 
O uso deste tipo de armamento por engano é só por si grave, e o facto do disparo ter ocorrido a cerca de 100 km da fronteira da Rússia ainda mais delicada torna a situação.
Os peritos já concluíram que não ocorreu nenhum erro no software do avião, pelo que a hipótese de erro humano é praticamente uma certeza!
Para ajudar à "festa" o míssil ainda não foi encontrado, e apesar de dispor de um mecanismo de autodestruição, não está afastada a hipótese de ter chegado ao solo.
A somar a tudo isto, uma vez que foi disparado sem um alvo definido, o míssil poderia ter atingido uma das outras aeronaves que na altura participavam na missão.


O incidente militar rapidamente assumiu caráter de incidente diplomático e a NATO decidiu por agora retirar os aviões espanhóis do policiamento do Báltico, entregando essa missão a Portugal e França.
Todos podemos ter a certeza que os militares portugueses levarão a bom porto esta missão, porque às vezes a eficácia e a segurança de uma ação reside nas pequenas diferenças: os espanhóis perdem o armamento depois de o utilizar...os portugueses às vezes perdem-no antes...

Sem comentários:

Enviar um comentário