sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Vocação, jeito ou outra coisa qualquer?

Quem não se lembra dos tempos da escola primária em que nos perguntavam o que queríamos ser quando fossemos grandes? 
Se nos dias de hoje as preferências vão para futebolista, manequim ou beneficiário do Rendimento Social de Inserção, há poucas décadas atrás  as profissões de sonho para os petizes eram bombeiro, polícia, médico, enfermeira e cabeleireira...
Ainda bem que inventaram  o Rendimento Social de Inserção!
Quando se pergunta a uma criança ou a um jovem o que quer fazer quando for grande, está-se à espera que a criança responda de acordo com o que sonha e que o jovem responda com a sua vocação e projeto de vida.
Felizmente há quem consiga responder da mesma forma como criança e como jovem e que quando chegue ao mercado de trabalho concretize as suas ambições.
O problema é quando nem há sonho, nem vocação e resta o jeito para fazer alguma coisa...


Recordam-se de Agostinho Caridade? O "falso padre" de Barcelos substituiu padres em várias paróquias, casou paroquianos, batizou outros, burlou, roubou objetos em alguma igrejas...e até celebrou na Sé de Braga...
Apesar de não ser padre nem ter vocação para tal, Agostinho Caridade apresentou-se como Padre, pediu para celebrar numa igreja em Ovar e aproveitando-se da boa fé das pessoas foi percorrendo várias paróquias do Norte do país para conseguir os seus intentos de amealhar dinheiro.
Outras situações há em que alguém exerce uma profissão e por necessidade pessoal ou da sociedade em que se insere, alia um outro ofício ao que sempre exerceu.


Sabiam por exemplo que os barbeiros além de cortar cabelo e barba também realizavam pequenas cirurgias e tiravam os dentes aos clientes que precisassem de tratamento dentário?
E se associamos o termo "tiradentes" à época colonial portuguesa e espanhola, não podemos esquecer que em 1540 em Inglaterra a Sociedade dos Cirurgiões e a Companhia dos Barbeiros se fundiram surgindo assim a Companhia dos Barbeiros-Cirurgiões!
Há mesmo quem diga que a típica cadeira dos barbeiros era bastante adequada às cirurgias dentárias pela posição em que permitia colocar o paciente.
Mas será que isto só acontecia no passado? Talvez não...
Nos barbeiros talvez tenha sido a cadeira que levou a que as coisas acontecessem...


Na Rússia, num destes dias, um canalizador fez-se passar por ginecologista e enganou um hospital...
Terá sido o jeito com as canalizações que levou a que isto acontecesse? Terá sido vocação? Ou terá sido outra coisa qualquer?

Sem comentários:

Enviar um comentário