domingo, 7 de janeiro de 2018

Profissão estável ou nem por isso...

Num dia em que a estabilidade laboral volta a estar na ordem do dia, com greves, ameaças veladas de deslocalizações de empresas e até mesmo com a versão algarvia de "The Walking Dead" (recuperada pelos estúdios de Boliqueime ), torna-se imperioso falar de profissões estáveis.
Todos nós conhecemos homens e mulheres que ao longo da vida tiveram apenas um trabalho, prosperaram e hoje em dia gozam reformas estáveis e condignas.
Quase todos conhecemos alguém da nossa aldeia ou até alguém da família que escolheu a nobre medicina para, além de garantir a sua estabilidade financeira e profissional, colocar o seu saber ao serviço dos outros.
Mas, apesar de poucos o notarem, esta tão louvável profissão corre riscos e caminha a meu ver a passos largos para a extinção!
E porquê? A resposta pode não ser a mais óbvia, mas uma pesquisa nos diversos meios de comunicação social vai mostrar as razões da minha conclusão.
Senão vejamos :
O Paulinho tem problemas de motor de arranque, há uns anos atrás marcava uma consulta no médico de família, esperava uns seis mesitos, o médico encaminhava-o para um urologista e na pior das hipóteses, sete meses depois tinha o seu problema resolvido com umas pastilhas compradas na farmácia. Nos dias que correm, o Paulinho abre a secção de anúncios de algum jornal, compra uma embalagem de "Libidium Fast"...e pumba...uma horita depois, o motor arranca!
O Roberto sente-se um pouco acabado mas quer continuar a viver a sua vida, há uns anos atrás marcava uma consulta no médico de família, esperava uns seis mesitos (teve sorte que nesse dia o médico do Paulinho tinha duas vagas), o médico encaminhava-o para um nutricionista e e para um ginásio, oito ou nove meses depois, com um plano de treinos adequado e umas vitaminas, Roberto sentia-se bem mais jovem. Hoje o Roberto abre a sua revista das telenovelas, compra o "Cogumelo do Tempo" e já está : Roberto parece voltar a ter vinte anos, veste umas roupas cor de rosa, pinta o cabelo e exagera um pouco na delicadeza...mas vinte anos são vinte anos, não me venham com tretas de mariquices!
O Vitor sente dores em todas as articulações do corpo, há uns anos atrás marcava uma consulta no médico de família, esperava uns sete mesitos (teve azar que o médico foi a um congresso ao Brasil com o Paulinho e o Roberto), o médico encaminhava-o para eu reumatologista, este medicava-o e indicava-lhe uma clínica de fisioterapia, um ano depois já caminhava sem problemas duas horas diariamente . Atualmente, Vitor liga a televisão, compra duas embalagens de "Calcitrim", recebe duas canecas, um estojo para guardar o "Libidium" e o "Cogumelo do Tempo", e no tempo que lhe sobra ainda corre!
Não tardará, veremos médicos na fila do centro de emprego, ou a bailar com o Roberto recebendo uns euros emitindo o respetivo recibo!
Em suma, e na minha humilde opinião, a indústria de suplementos alimentares é a mais séria ameaça à medicina desde inquisição! Algo que apenas teve paralelo em profissões como engenheiro agrónomo ou meteorologista aquando da venda desregrada dos almanaques "O Borda d'Água" e o "Seringador"!
É mesmo caso para dizer "Viva Melhor"...a não ser que se chame Hipócrates...

Sem comentários:

Enviar um comentário