segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Melhores condições acima de tudo

A semana fica claramente marcada por uma vitória dos professores na luta pelas suas carreiras.
Devido à crise as carreiras na função pública foram congeladas e além disso não foram, durante vários anos, autorizadas valorizações remuneratórias.
O que é que aconteceu na prática: além de não terem aumentos salariais o tempo de serviço não contou para a carreira.
Normalmente os trabalhadores do privado aplaudem este tipo de medidas principalmente quando não vai ao bolso deles...
Em termos práticos é como se um funcionário entrasse para uma empresa como aprendiz e por causa da crise o patrão não lhe desse aumento durante 9 anos. Terminada a crise o patrão informava-o que iria progredir na carreira, mas que os 9 anos não contavam para nada e por isso iria receber como aprendiz na mesma!


Ora os professores ganharam a sua luta, pelo menos aparentemente, mas parece que a benesse não é geral, alguns dos setores da função pública vão continuar quase na mesma... A ver vamos...
Num país em que não abundam recursos a classe política tem o dever de, além de gerir a coisa pública com responsabilidade, fazê-lo com equidade.



E se há classe que em Portugal dignifica os cargos, essa classe é a dos políticos. Por isso não surpreende ninguém que haja quem lute pelos direitos dos reclusos nomeadamente no que diz respeito à qualidade da sua alimentação.
Mesmo havendo quem defendesse que seria mais justo melhorar a alimentação nas escolas, para bem da nação, os políticos estão preocupados com os reclusos. Afinal como seria a reinserção de um ex-recluso mal alimentado?


Claro que depois há funcionários do estado que, descontentes com possibilidade da sua carreira não progredir, tudo fazem para pelo menos beneficiar das condições dadas aos reclusos! 

Sem comentários:

Enviar um comentário