domingo, 7 de janeiro de 2018

Caridade a quanto obrigas...

Se há coisa que nos podemos orgulhar é do espírito solidário dos portugueses.
Quando no início do Verão o centro do país foi devastado por violentos incêndios a sociedade uniu-se e mostrou que podiam contar com a ajuda de todos. 


Figuras públicas, artistas, apresentadores de televisão e milhares de cidadãos anónimos foram capazes de angariar verbas significativas para ajudar quem perdeu tudo!
Mas a má língua não é um exclusivo do Tanque dos Patos. Se alguém não dá é porque não tem espírito solidário, se dá é porque está armado em bonzinho mas no fundo não vale nada!
Mas no fundo o que importa é ano após ano galas solidárias, peditórios, recolhas de roupas ou recolha de alimentos vão servindo para dar um pouco mais a quem não tem quase nada...
No entanto há coisas que nos podem fazer duvidar da justiça de muitas das campanhas...


Há por exemplo indícios que algumas organizações vendem os bens doados...
Há certeza que quem liga para os famosos "760" em campanhas solidárias ajuda quem precisa e ajuda os cofres do Centeno com 23% do IVA...
Há certeza que as superfícies comerciais lucram e muito com os bens que os clientes compram e doam ainda dentro da porta do hipermercado...
Há muitas dúvidas do paradeiro do dinheiro angariado para as vitimas dos incêndios de Pedrogão...
Com tantas pontas soltas ficamos muitas vezes de pé atrás na hora de dar...Não é bom dar e não saber se aquilo que doamos se destina a quem precisa...
Mas isto é só a ponta do iceberg...
Soube-se na passada quarta-feira que um senhor resolveu ajudar um amigo. Esse amigo até tinha uma conta bancária...mas com saldo negativo!
Cheio de generosidade, o senhor comprou uma casinha em Paris para o amigo morar e como este andava a estudar foi-lhe emprestando dinheiro.
Esse amigo tinha-se divorciado e como não conseguia ajudar a ex-mulher o senhor também mandava algum dinheiro à fava...
Neste caso até quem dava sabia que estava a ajudar a pessoa certa, ninguém esperava que os magistrados e polícias maldosos viessem pôr em causa a generosidade do senhor! 


E se essa dúvida já era suficientemente ofensiva, a perseguição dos jornalistas ávidos de sangue tornou a situação ainda mais humilhante!
Já não se pode ser porreiro...Pá!

Sem comentários:

Enviar um comentário